quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Meu somebody

Não sei se muitos lerão, mas a intenção não é que leiam. Minha maior intenção é conversar comigo mesma, e refletir. Mas se você quiser entender, vai uma legendinha:

Ele* = alguém que um dia eu achei ser meu alguém;
 Ele' = o alguém que hoje eu quero que seja o meu alguém;

Eu acho que encontrei. Recebi alguns sinais que de talvez eu tenha encontrado. Será que foi a carência que me fez achar isso? Será que é denovo ilusão? Já estou cansada de só me iludir e ainda sofrer.
Era assim que eu achava, era assim que eu esperava que ele' fosse. Não existem palavras, eu não consigo achar palavras. E o um bom tempo ele' esteve ali, do meu lado, e só agora eu fui perceber. Porque eu não vi isso antes? Eu reclamei tanto, tanto, tanto. E ele' estava ali, era só eu ver e tentar. Fui boba, fui muito desligada e agora vem as consequencias. Pode ser que agora não haja mais tempo, pode ser que agora não haja mais o porquê (pra ele', porque pra mim é agora mais que nunca).
 Antes eu também achei que havia encontrado, e esse ele* era a pessoa que eu esperava que fosse. Era inteligente, tinha assuntos em comum comigo, me fazia rir, ria comigo. Iamos a lugares juntos, faziamos programas que até certos casais de namorados nunca fizeram. Eu imaginei que existisse algo entre nós, até o dia em que ele* não mais riu tanto, não mais me deu tanta importancia, não mais me procurou. Mais um alguém em vão, mais sentimentos que foram despertos e deixados para serem esquecidos. Ele* definitivamente não era o meu alguém...
 Continuei na minha busca incessante por alguém que fosse meu. Achei ter escondido minha decepção comigo mesma e com a minha vida. Achei que só aqueles a quem eu havia contado saberiam dessa minha tristeza interna. Mas descobri a alguns dias que outras pessoas também viram. Pessoas que eu não esperava que tivessem visto, porque à elas eu queria mostrar o meu lado bom, não esse meu lado cansado, exausto e depressivo. Ah se eu pudesse voltar no tempo e tirar aqueles olhos murchos e tristes e colocar no lugar o meu sorriso. Com isso eu poderia ter percebido antes se ele' poderia ou não ser o meu alguém. Não só agora , que pode ser tão tarde pra perceber.
Agora eu quero ele'. Quero ele' porque ele' parece ser o cara que me fará acreditar novamente em tudo o que eu deixei de acreditar por causa de alguém que não soube me amar. Ele' me faz rir, ah como faz. Me deixa envergonhada. Me mostra onde errei e me corrige se preciso. Me da atenção (ou pelo menos dava), me incentiva e acredita em mim mesmo quando eu não acredito. Pode ser que eu esteja confundindo um grande amigo com um grande amor. Mas não seria má ideia que esse grande amigo fosse o meu amor. Ele' é assim, brincalhão e irônico ao mesmo tempo, apaixonado sonhador, se envolendo mas não se entregando, triste e sorridente, inteligente e humilde. Características que não existem palavras pra expressar. Eu não o conheço muito bem, profundamente, mas adoraria conhecer. Só falta saber se eu poderei.
Ainda me falta a coragem pra fazer, fazer e agir! Desculpa, ainda falta. Mas acredito que a viagem que farei semana que vem me abrirá os olhos pra muita coisa. Assim espero. E que quando eu voltar, se nada ainda tiver mudado, eu terei coragem pra mudar.
 Sei que ele' não lerá, sei que ele não saberá que ele' é ele' por aqui. Mas se você ler, não se assuste. Não sou psicopata e nem te perseguirei. Apenas não quero te deixar ir embora, ou eu ir embora sem saber se você é quem eu procuro, quem me completa. E se eu sou quem você espera um dia encontrar (espero ser se tiver que ser).
A questão é... ele' será o meu alguém, ou será só mais alguém? Seja meu.
 Me puxe pela cintura, me beije com vontade. Me abrace sem que eu precise pedir, ou oferecer. Me mostre que ainda vale a pena acreditar, me queira, me deseje, me espere. ME CONCERTE!

Comentários
0 Comentários

0 Opiniões:

Postar um comentário