segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Adeus 2012. Olá 2013!

E assim os despedimos de mais um ano. Foram lutas, vitórias, derrotas. Houve casaço, superação, desanimo, tristeza, orgulho, realização. Tantos setimentos em tão pouco tempo. Sim, um ano é pouco tempo. É pouco tempo pra se estudar tudo o que deve-se saber, pouco tempo pra acreditar em tudo que deve ser acreditado, é pouco tempo pra viver tudo o que deve ser vivido. Mas não foi bom, nem ruim. Foi suficiente.
Tanta gente entrou a minha vida, tantas partiram, tantas permaneceram... As novas, eu agradeço por terem me aturado esse ano, e peço que não se vão, porque eu fiz tudo o que pude pra que ficassem ao meu lado, e não quero que partam. As que partiram, também agradeço, porque talvez tenha sido melhor assim. E as que permaneceram, meu agradecimento é ainda maior. Obrigada por ainda estarem ao meu lado apesar dos pesares, sei que não sou a pessoa com o gênio mais fácil de se lidar do mundo. Não foi um ano fácil pra mim, mas foi graças a vocês que hoje eu estou aqui para agradecer. Obrigada pelos sorrisos, pelas madrugadas em claro discutindo sobre a vida, pelas lágrimas de emoção, pelos abraços que consolam, pelas palavras que amparam. Obrigada por estarem em mais um capítulo da minha vida.
Eu desejo a todos meus sinceros votos de esperança, fé, conficança, amor e felicidade. Que 2013 seja um ano próspero, que ele traga em sorrisos as lágrimas que 2012 nos fez chorar. Que possamos fazer dele um ano realmente novo, novo em toda a sua esseência!
Tombos todos levam. Mas mais forte do que aceitar a derrota é ter coragem pra levantar e tentar denovo. Happy New Year!

" Para ganhar um ano realmente novo não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta. Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto de esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados começando pelo direito de viver.
Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo. Tem de fazê-lo novo, e eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre."
Carlos Drummont de Andrade
Comentários
0 Comentários

0 Opiniões:

Postar um comentário