domingo, 13 de maio de 2012

Esperar...

 Para não ver, a gente fecha os olhos. Para não ouvir, tampa os ouvidos. E para não sentir? O que é que a gente faz? Ando precisando tanto dessa resposta...
 Já chegamos a esse mundo chorando, pra que desde de recém-nascidos já saibamos que a vida aqui não será fácil. Eu preciso ser forte como já fui. Não, corrijo. Forte eu nunca fui, só sabia disfarçar melhor. Perdi um pouco desse dom.
 Queria poder ter um espacinho pra mim, pra que quando o mundo todo resolvesse me magoar eu pudesse me esconder de lá e só sair quando tudo já estivesse bem. Há momentos em que o que o coração diz, a boca não fala. O que o peito grita, a voz não traduz. Todas as palavras do mundo se resumem a nada.
 Sempre tento encontrar razão na vida pra tudo, e pessoas como eu sofrem mais, se decepcionam mais...
 Eu não vou pedir carinho, nem atenção, nem amor a ninguém. Viverei sozinha quanto tempo tiver que passar, eu não ligo. Vai doer?! Vai. Eu sei que vai. Está doendo. 
 Nunca pedi um principe, nunca pedi dinheiro nem luxo. Meu maior desejo sempre foi ser feliz com alguém que pudesse estar feliz ao meu lado também. Dou o melhor do de mim no que eu faço, sou uma pessoa de fácil convivência, tento ser engraçada e fazer as pessoas a minha volta rirem, pra que mesmo que eu chore, aqueles que convivem comigo sorriam. Isso me deixa mais feliz. 
 Mas as coisas ao invéz de melhorar... pioram. Sinto que a minha vida é um conto de falhas. Um vazio em mim. Mas não de fome, de sentimentos.
 Já nem sei mais o que falar, não sei mais como agir, não sei o que fazer. Simplismente não sei. Vou seguir.    Continuar estudando para poder dar orgulho aos meus pais, e quetar o meu coração. Parar de achar que todos são lindos e que tudo é perfeito. Se nem Jesus Cristo agradou a todos, quem sou eu pra agradar?! Ninguém, como sempre.
 De todas as dificuldades que uma pessoa tem de enfrentar, a mais sofrida é, sem dúvida o simples ato de esperar.

Montagem de ideias - Bárbara Brito

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Nesta noite, nada me segura

  Este é um texto do blog de uma amiga minha, que me faz pensar em como eu ando precisando de algo assim. 

 " Perdão meu amor, vou ter que lhe deixar na mesinha da boate porque esta noite eu preciso dançar. Não que eu não goste de um momento a dois, uma troca de carinhos e suas palavras românticas. Mas hoje a garota que há em mim quer se libertar.
 Nunca fiz o tipo baladeira ou garota da pista, que agita e anima todos. Você me conhece de cor e sabe bem disto, mas esta noite é minha. O Dj está tocando e a pista me espera. As luzes resgatam o meu brilho e a batida me faz vibrar por dentro e por fora.
 Sabe, lindo, após tantas decepções, idas e vindas preciso descarregar as energias ruins. Não, não quero ler um romancetinho água-com-açúcar para espairecer. Nem o Dr. Machado de Assis com seus realismos, nem o querido Nicholas Sparks com seus dramas lindos, nem mesmo as ficções ou os contos de Stephen King serão capazes de fazerem minha mente desligar. Eu preciso de mais, preciso de movimento, de balanço, agito e música. Quero sentir a música e meu corpo ser embalado por ela.
 Me ver de blusinha de paetê dourada e sainha de cintura alta preta super curta, dançando no meio da pista de dança aquela música agitada do David Gueta me faz rir por dentro. Mas a sensação de libertação é única!
 Amor, eu estava cansada de ouvir as pessoas tentando mudar minhas escolhas, me cansei de pessoas se intrometerem nas minhas decisões e só criticarem minhas escolhas. Ninguém é capaz de entender meu modo de pensar, mas todo mundo adora querer tomar as minhas decisões e falar como sou indecisa, louca e ingênua.
 "Coitada da garota que ama livros, ela sonha alto demais. Ela é tão ingênua, tão inocente. Se esquece que o mundo não é como em seus romances literários." Não é isso o que as pessoas gostam de afirmar? Pois é, hoje é o dia em que vou esquecer isto pelo menos algumas horas. É o dia que vou dançar até meus pés doerem, se precisar. Quero dançar até a última música. Beber até o último drinque do cartão do open-bar. Sentir a batida das músicas e dançar. É só isto para esta noite. Dançar até a última música. Venha comigo, vamos dançar! Até a última música, até o sol nascer... "


Blog: http://mundoninna.blogspot.com.br/ 

Facebook: http://www.facebook.com/larissa.tassin?fref=ts

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Preciso parar, preciso esperar. Mas a solidão dói e eu sigo inventando personagens. Odeio minha fraqueza em me enganar. Eu invento amor, sim e dói admitir isso. Mas é que não aguento mais não dar um rosto para a minha saudade. É tudo pela metade, ao menos a minha fantasia é por inteiro.. enquanto dura. No final bruto, seco e silencioso é sempre isso mesmo, eu aqui meio querendo chorar, meio querendo mentir sobre a vida até acreditar. E aí eu deito e penso em coisas bonitinhas. E quando vou ver, já dormi.

sábado, 5 de maio de 2012

Não fique triste se alguém lhe virar as costas; Isso significa apenas que essa pessoa não pode aguentar a firmeza do seu olhar. Não pense nos momentos dificeis como o fim do mundo, e sim como um obstáculo a ser superado, pois é dos momentos dificieis que se cresce.